segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Especial JDM (Japanese Domestic Market)

O mundo das miniaturas foi tomado pelos carros japoneses, esse interesse vem dos carros reais, um movimento identificado por uma sigla - JDM. Acompanhem.

Os japoneses são um povo forte, batalhador e determinado. Ao final da segunda grande guerra mundial eles estavam no chão, arrasados, mas isso não foi motivo para se abalarem e desistir. Pelo contrario, meteram a mão na massa e começaram o duro trabalho de reconstruir o país. A indústria automotiva foi um dos setores importantes nesse processo de renascimento, afinal a nação precisava se locomover e transportar os seus produtos, por isso o foco das principais fabricantes estava na montagem de carros que fossem funcionais e tivessem uma mecânica extremamente confiável, além de preços atrativos.

Nos anos 1960 o setor de automóveis já estava estabelecido, os veículos haviam atendido esse propósito, por isso algumas marcas resolvem investir em outros segmentos para valorizá-las e atrair mais olhares dos consumidores, nasciam assim os primeiros esportivos e o resto é pura história.

Voltando ao século XXI nos deparamos com um estilo identificado pelas iniciais JDM (Japanese Domestic Market) que tem ganhado cada vez mais espaço em nações como os Estados Unidos e Reino Unido - sem contar o Japão, claro -. Em comum essas pessoas tem a paixão por estes carros que rodaram bastante entre meados dos anos 1960 e 1980, mas o que justifica toda essa atração?

O jornalista Mike Garret do site Speed Hunters tem algumas teorias compartilhadas na reportagem Exploring The Cult Of Retro Jdm (Explorando a Cultura Retro do JDM em tradução livre), e o blog as apresenta a seguir:

O primeiro motivo esta relacionado aos apreciadores dos carros japoneses modernos que gostam dos antigos porque eles representam as raízes dos modelos de desempenho e a criação de todo um novo mercado, além disso, o visual simples e a escolha das rodas vintage certas são motivos mais do que necessários para atrair muitos olhares.

Outro fator observado é a semelhança dos designs dos veículos nipônicos com os esportivos europeus ou dos Estados Unidos, é só observar o Toyota Celica 1970 e o Skyline 2000GT de 1972, cujas linhas são inspiradas no Mustang da época. O Toyota 2000GT e o Nissan Fairlady 2000 são outros exemplos onde os seus contornos tiveram como referência os carros italianos de mesmo período.

Outra característica que os torna tão desejados atualmente é o valor de aquisição, a maioria deles ainda podem ser comprados nos Estados Unidos, por exemplo, por preços relativamente baixos no comparativo com os Muscle Car, o que acaba por ser uma ótima porta de entrada para quem deseja ter um clássico na garagem.

Por fim, existe o fator nostalgia que também pode ser chamado de apelo emocional. Quem mora nos países onde esses carros foram vendidos conhecem alguém na família, um vizinho, um amigo e ou teve um exemplar quando jovem, por isso relembrá-los é reviver momentos importantes da vida.

Como podemos observar as colocações para todo este amor não é muito diferente das que existem no Brasil para os modelos fabricados localmente no mesmo período, o que é extremamente positivo.

Em relação as miniaturas, atualmente do lado do Ocidente a Hot Wheels é a marca que mais tem investido neste segmento, e como a mesma tem uma penetração mundial isso tem permitido que outras pessoas possam conhecer mais sobre esses veículos. Outras marcas como a Matchbox e a Johnny Lightning também possuem um bom portfólio, já a Greenlight e a M2 Machines estão engatinhando nesse mercado.

Agora são as fabricantes japonesas que se destacam na área com uma variedade grande de modelos e um ótimo nível de detalhes como é o caso da linha Tomica Vintage e as coleções da Kyosho.

Para quem esta se encantando pelos JDM a oferta de miniaturas disponíveis esta muito boa e com certeza vai fazer a alegria de muitos, e sinceramente é preciso reconhecer que a maioria deles são muito legais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário